sábado, 28 de setembro de 2013

Estresse: Um vilão para o organismo

Unhas e cabelos fracos, pele oleosa, dores de cabeça e acordar sentindo-se cansado são alguns sintomas do estresse. 

 estresse.jpg
O estresse aumenta o hormônio cortisol
Foto: sxc.hu

O estado emocional pode refletir em diferentes partes do corpo humano, inclusive o cérebro, além de prejudicar a memória, acelerar o processo de envelhecimento e até diminuir a imunidade do organismo.

Segundo os médicos Ana Escobar (pediatra) e Carlos André Freitas (geriatra), o estresse alerta ao corpo que ele está presente, e se não for tratado pode causar algumas doenças. Os exemplos mais comuns são:
  • A deficiência de vitaminas e nutrientes que causam queda do cabelo e a quebra das unhas;
  • Na pele, as espinhas podem piorar, além de poder causar psoríase, vitiligo e dermatites;
  • Os dentes podem sofrer com o bruxismo, que é causado pelo nervosismo e provoca dor da ATM, o que pode até mudar a forma do rosto;
  • As herpes podem aparecer na boca;
  • Os músculos podem ter problemas para se desenvolver mesmo se a pessoa fizer atividade física;
  • No cérebro, pode ocorrer uma diminuição da produção de neurotransmissores, prejudicando a memória;
  • O sangue pode sofrer com a redução das células de defesa e um aumento do cortisol, hormônio do estresse.
A pediatra explicou durante o programa Bem Estar que o cortisol funciona como uma arma contra infecções, vírus, bactérias e inimigos desconhecidos – quando ele é acionado, é como se o corpo entrasse em estado de alerta. Porém, no caso de pessoas muito estressadas, esse estado de alerta é permanente e o corpo gasta energia à toa para se defender de um inimigo que está fora do organismo, deixando-o vulnerável.

A melhor forma de melhorar o estresse é o descanso. Mas fique atento! Se o trabalho for realizado com o computador, não utilize seu tempo de descanso usando ele. O ideal é dividir o descanso em três etapas: o físico, realizando atividades físicas; o social, dedicando um tempo para a família e amigos; e o mental, com exercícios de espiritualidade e criatividade, por exemplo. Uma atividade prazerosa executada uma vez por dia também é importante, ressalta Ana.

(ECOD)