domingo, 1 de maio de 2016

Ônibus elétrico começa a ser testado em Porto Alegr

A prefeitura de Porto Alegre, por intermédio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e da Carris, apresentou na tarde de quinta-feira, 14 de abril, o novo modelo de ônibus elétrico que será testado nas ruas da capital gaúcha. 

onibus-ecod.jpg
Além das vantagens em relação à economia e sustentabilidade, é silencioso e confortável
Foto: Alina Souza

Uma viagem de apresentação foi realizada, com a presença do vice-prefeito Sebastião Melo, do diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, e do diretor-presidente da Carris, Sérgio Zimmermann.

A partir desta sexta-feira (15), a inovação será empregada nas linhas circulares C1, C2 e C3 da Carris, que rodam na área central da cidade, para avaliação da adequação do veículo às características das ruas e avenidas, terreno e trânsito da região. O ônibus elétrico é da empresa chinesa BYC, montado no Brasil, e emprega tecnologia de ponta, com motor mais potente do que o modelo que já esteve em testes no ano passado.

“A sobrecarga na mobilidade urbana está tornando muitas cidades insustentáveis. Em Porto Alegre, 70% da emissão de gás carbono vêm dos veículos automotores. Por isso, é importante buscar por uma melhor qualidade de vida pelo transporte coletivo. Se esse ônibus for aprovado nos testes, trará um ganho significativo para o futuro”, afirmou Sebastião Melo ao Correio do Povo.


100% elétrico


O coletivo tem ar-condicionado e acessibilidade. Além das vantagens em relação à economia e sustentabilidade, é silencioso e confortável. No interior, há mais espaço para os passageiros graças ao tamanho das baterias, que estão ainda mais compactas, e ao posicionamento destes componentes, que ficam localizados no teto do ônibus. Os ônibus atuais custam de R$ 800 a R$ 900 mil enquanto cada elétrico custa R$ 1,5 milhão.

“O ônibus é 100% elétrico e diferente dos outros dois que testamos via Carris. Este atende a todas as normas da cidade. O valor dele é mais caro que de um ônibus a diesel. Porém, a não utilização de combustível é um diferencial. Outro fator que analisaremos é a manutenção”, disse Vanderlei Cappellari.

As baterias do protótipo em testes serão carregadas à noite em uma central elétrica na Carris. A durabilidade é de 250 quilômetros rodados, com vida útil de 30 anos. Isso permite mais autonomia do que o modelo anterior, dando a possibilidade de atender melhor às necessidades da cidade de Porto Alegre. O ônibus elétrico permanecerá em testes por 60 dias.

“Os passageiros vão notar melhorias neste modelo em relação àquele testado pela Carris no ano passado. Além de ter ar-condicionado, o interior é mais adequado ao padrão do sistema da Capital”, avaliou o diretor-presidente da Carris, Sérgio Zimmermann.

(Fonte: ECOD)