quinta-feira, 21 de abril de 2016

Celular serve como ferramenta para aprender História

Projeto resultou em mais tempo de leitura para alunos de redes públicas do Rio de Janeiro e Minas Gerais.


Professor de história em escolas das redes estaduais de educação de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, Rodolfo Alves Pereira criou um blogue e um aplicativo para incentivar a leitura de textos históricos pelos alunos. Ele garante que os estudantes ganharam habilidade na leitura, capacidade de articular ideias e argumentos de forma escrita e se tornaram mais reflexivos.

As inovações fazem parte do projeto O Celular como Ferramenta de Leitura e de Aprendizagem, iniciado há quatro anos com alunos do nono ano do ensino fundamental da Escola Estadual Luiz Salgado Lima, no município mineiro de Leopoldina. Em agosto do ano passado ─ até então, era usado apenas o telefone celular ─, o professor criou o aplicativo Acrópole APP para facilitar o acesso dos alunos aos textos e conteúdos por ele postados no blogue.

O Acrópole APP permite a postagem de textos de diversos gêneros, com notícias, mapas e pinturas. "Todo tipo de documento que sirva como fonte histórica de leitura e pesquisa em nossas aulas", ressalta o professor. As novidades tornaram as aulas mais atrativas. Os estudantes passaram a ler mais e a registrar reflexões sobre os textos. "Muitas dessas reflexões são postadas no blogue e tornam os alunos produtores do conhecimento, na medida em que se posicionam e têm seus trabalhos publicados", explica Rodolfo. Segundo ele, o projeto atende diretamente cerca de 90 estudantes, mas todos os alunos podem baixar o aplicativo e usá-lo em sala de aula.

Resultados ─ De acordo com o professor, o blogue tem apresentado resultados expressivos, quantitativa e qualitativamente. O trabalho deve ser intensificado este ano, a partir das propostas de manter o blogue atualizado com postagens de qualidade e de aumentar a participação dos alunos nas atividades de manutenção. "Vamos dar continuidade à metodologia aplicada, mesclando aulas tradicionais com o uso das tecnologias da informação no ensino-aprendizagem", ressalta.

O projeto foi um dos finalistas da sétima edição do Prêmio Vivaleitura, na categoria 2, destinada a escolas públicas e particulares, o que deixou o professor orgulhoso. "Ficar entre os finalistas significa um reconhecimento, a coroação de um ano de trabalho muito feliz e produtivo", afirma. Ele revela que pretende dar prioridade ao desenvolvimento de habilidades e competências fundamentais para formar alunos leitores, reflexivos e capazes de exercer a cidadania em uma sociedade democrática e plural. "Terei de fortalecer os planos de aula para que os alunos tenham objetivos e metas claras e exequíveis", diz.

Graduado em história, com pós-graduado em ciências humanas, Rodolfo cursa especialização em cultura e história indígena na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

O Prêmio Vivaleitura é uma iniciativa dos ministérios da Cultura e da Educação, coordenada pela Organização dos Estados Ibero-americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI).

Acesse o blogue do projeto Acrópole.

(Fonte: Acheseucurso -  Com informações de  Fátima Schenini, do MEC)