domingo, 17 de abril de 2016

Âmbar com mosca de 105 milhões de anos com pólen é descoberto na Espanha

Um âmbar localizado na Cantábria, no norte da Espanha, preservou “em perfeito estado” uma mosca ‘Zhangsólvida’, que viveu há 105 milhões de anos, e em cujo abdômen havia pólen da planta ‘Bennettital’, que apareceu no período Triássico e se extinguiu no Cretáceo Superior.


O Instituto Geológico e Mineiro da Espanha (IGME) foi um dos responsáveis por esta descoberta, que foi publicada nesta quinta-feira (9) na revista científica “Current Biology”, e que mostra que as moscas do período Cretáceo se alimentavam de néctar e eram responsáveis pela polinização de plantas gimnospermas (que não têm flores e produzem sementes).

Estas moscas são denominados ‘Zhangsólvidas’ e foram descobertos dois espécimes distintos, que estão perfeitamente conservados no âmbar encontrado na caverna de Soplao.

A equipe responsável pela análise desse âmbar esteve integrada por cientistas do IGME, das Universidades de Barcelona e Complutense de Madri, das americanas Harvard e Cornell, e do Museu Americano de História Natural de Nova York.

O trabalho realizado por essa equipe permitiu localizar essas moscas “muito raras”, pertencentes a uma família que se extinguiu antes dos dinossauros.

Essa espécie, segundo o IGME, absorvia o néctar em pleno voo quando se aproximava das plantas, como fazem os beija-flores, utilizando uma longa trompa especializada, que foi verificada no espécime do âmbar através de um microscópio.

O IGME explicou que existem poucos casos similares no mundo no qual foram encontrados fósseis de insetos em âmbar que transportavam pólen de uma flor para outra.

Os fósseis encontrados na caverna da Cantábria refletem a relação “muito estreita” entre essas moscas e as plantas ‘Bennettitales’ há 105 milhões de anos, o que representa que esses insetos podem ter sido responsáveis pela polinização de plantas gimnospermas.

No entanto, o estudo indica que se estes insetos estavam especializados para se alimentar de estruturas de plantas gimnospermas, “é praticamente certo que o passo que transcendeu às angiospermas (plantas com flores) deve ter ocorrido neste período”.

 (Fonte: Terra)