terça-feira, 21 de julho de 2015

Agência espacial ensina como ‘visitar’ planetas sem sair da Terra

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) produziu um guia de viagens sobre locais na Terra que se parecem ambientes de outros planetas, permitindo que turistas visitem áreas “alienígenas” sem precisar pagar um caríssimo passeio de turismo espacial.


O “Catálogo de Ambientes Análogos Planetários” (veja o PDF em inglês) lista 30 lugares na Terra e os descreve ao estilo dos guias de viagem tradicionais.

Mas, graças a suas características climáticas e geológicas, esses destinos se parecem com ambientes de outros planetas – ou, pelo menos, como os cientistas acreditam que esses mundos distantes devam ser.

A lista de lugares parecidos com outros planetas inclui vulcões, desertos e áreas de tundra espalhados pelos sete continentes.

Para os que sonham em conhecer Marte ou a Lua um dia, a sugestão é ir até Tenerife, nas Ilhas Canárias. O guia sugere que, no território espanhol, o vulcão Teide oferece uma “boa analogia visual e geográfica”.

Os vales mais secos e gelados da Antártica, o vulcão Kilauea, no Havaí, e vários locais da Islândia e da Austrália também estão na publicação.

O catálogo ainda mostra crateras formadas pelo impacto de meteoritos no estado americano do Arizona, e no Rio Tinto, localizado na província espanhola de Huelva.

Para cientistas – O guia foi concebido para ajudar cientistas que trabalham em missões espaciais e realizam testes na Terra antes de viajar ou lançar instrumentos ao espaço.

O deserto do Atacama, no norte do Chile, por exemplo, foi usado nos testes de um veículo explorador, parte de um projeto europeu de viagem a Marte. O local também foi campo de testes do veículo robótico Zoe, da agência espacial americana (Nasa).

Esses testes permitem que engenheiros e cientistas examinem em qual classe de terreno o artefato consegue se mover, que tipo de desníveis poderá superar e se conseguirá recolher amostras do solo.

Além disso, como explicou à BBC Mundo a geóloga e especialista em astrobiologia Louisa Preston, uma das autoras do guia e pesquisadora da Universidade Aberta da Grã-Bretanha, esses ambientes hostis abrigam diferentes formas de vida, como micróbios conhecidos como “extremófilos”. O estudo desse grupo de seres, segundo Louisa, fornece informações valiosas “para entender quais classes de vida podem existir em outros planetas”.

Destinos diferentes – A especialista afirma que teve “a sorte de trabalhar em vários dos lugares” mostrados no guia.

“Uma das áreas onde mais trabalhei foi a Islândia, um lugar fascinante”, disse. “Está coberta da lava, com a mesma composição que encontramos em Marte, abriga vulcões e gêiseres. Acreditamos que Marte teve gêiseres, e há gêiseres em Encélado, uma das luas de Saturno mais distantes do Sistema Solar.”

No entanto, o catálogo de locais “extraterrestres” aqui na Terra não atraem apenas os cientistas.

“Agora, (o guia) está disponível na internet, e educadores, estudantes e qualquer pessoa interessada podem conhecer lugares para ir, visitar, estudar e sentir que estão em outro mundo, sem ter que ir tão longe”, acrescentou a pesquisadora.

Fontes – As informações do guia foram baseadas na experiência de cientistas e incluem dados práticos – desde onde se hospedar até a fauna silvestre local.

O capítulo sobre o deserto do Atacama diz que “há caminhos asfaltados desde Antofagasta, depois caminhos de terra e, finalmente, apenas a superfície natural. É indispensável (o uso de) um veículo off-road, um GPS e planejar as rotas antecipadamente usando imagens de satélite”.

O guia lembra ainda que, apesar de parecerem outro planeta, lugares como o próprio Atacama sofrem com problemas bastante humanos.

“É importante destacar que o deserto não está vazio. Há muitas operações de minerações ativas e gente viajando. Por isso, não deixe nenhum equipamento ou material sem supervisão, porque vai desaparecer”, adverte a publicação. 

(Fonte: G1)