sábado, 4 de abril de 2015

56% dos alunos do ensino médio já escolheram a profissão

Mas 59% ainda tem dúvidas sobre o mercado de trabalho. Percentual dos que já escolheram é maior nas públicas. Foram ouvidos 20 mil alunos.

Pelo segundo ano consecutivo, a Anhembi Morumbi realizou uma pesquisa com jovens do terceiro ano do Ensino Médio da Capital e Grande São Paulo. O objetivo do levantamento é traçar um perfil dos alunos que estão prestes a entrar na faculdade, além de mostrar como os jovens fazem suas escolhas profissionais, o quanto a família tem o poder de interferir, os cursos mais procurados e os fatores que motivaram o aluno no momento da decisão.

 O estudo foi realizado entre os dias 1º de fevereiro e 15 de março e ouviu cerca de 20 mil alunos, entre mulheres (55%) e homens (45%) de escolas particulares (69%) e públicas (31%). E constatou que 56% dos estudantes ouvidos já optaram pela profissão que devem seguir.

 Segundo Luciano Romano, coordenador da pesquisa na Anhembi Morumbi, a escolha do caminho profissional é uma das etapas mais importantes na vida dos jovens. "Apesar de a maioria dizer que já fez sua opção de curso, grande parte dos alunos ouvidos têm dúvidas sobre o mercado de trabalho (59%)", comenta.

Dentre os dados relevantes, o levantamento constatou que estudantes das escolas públicas estão mais decididos em relação à escolha da profissão (61%), frente aos alunos das escolas particulares (54% de decididos). Romano acredita que isso se deva principalmente ao fato de os alunos da rede pública de ensino acharem que têm menos chances de errar na escolha. "Por conta disso acabam optando por cursos mais tradicionais em uma primeira graduação e depois de formados e estabelecidos em suas carreiras, procuram fazer um curso que lhes dê prazer", ressalta.

A família continua sendo um dos principais fatores responsáveis pela escolha da profissão. Assim como na pesquisa realizada em 2011, os familiares são considerados pelos adolescentes peças fundamentais no momento da decisão. No levantamento, os alunos influenciados pela família representam 35%, enquanto os influenciados pela admiração por profissionais renomados que já atuam na área chegam a 33%. A remuneração influencia 25%.

Para Romano, pais e mães podem contribuir, neste momento, ajudando o estudante a se questionar sobre a escolha da carreira, avaliando o mercado, a vocação do jovem, as possíveis áreas de atuação. "Cabe aos pais orientar os estudantes, pois o momento da escolha profissional certamente é o mais difícil na vida do jovem, já que representa uma direção a seguir pela vida inteira", ressalta.

Outro dado que chama a atenção é sobre o curso escolhido. Os jovens ainda optam por graduações tidas como tradicionais. Dos cinco mais citados, despontam na lista Medicina, seguido de Direito, Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo e Administração. Além disso, o estudo aponta que na hora de escolher a instituição de ensino, os alunos assinalaram que pesam o reconhecimento do mercado, do MEC e o valor da mensalidade.

(Com informações da Assessoria de Imprensa da Universidade Anhembi Morumbi) - Ache seu Curso