domingo, 22 de dezembro de 2013

Fazer as compras no computador é muito mais cômodo e prático, mas há perigos. Mas basta seguir estas dicas para evitar problemas.

Imagine que você precisa comprar alguns presentes de Natal e não tem muito tempo. Suas opções são: (a) encarar o calor e perambular pelas lojas em busca de algo, se arriscando a não encontrar o que lhe agrade ou (b) fazer as compras online, no conforto de sua casa enquanto toma uma limonada geladinha. Qual você escolheria?
Nós escolheríamos a segunda opção. Mas infelizmente o mundo das compras online não é tão perfeito: é certamente mais rápido, mas também há riscos. Mas não se preocupe: temos a seguir uma série de dicas para você se manter seguro, e ainda assim terminar as compras a tempo.
Mantenha o navegador atualizado
Começamos pelo básico: não importa se você usa o Chrome, Firefox, Internet Explorer ou Safari, atualizar o navegador irá ajudá-lo a manter sua proteção em dia. Basta usar o Windows Update para dar conta do Internet Explorer. Já o Firefox e o Chrome tem um sistema de atualização automática. 
Para confirmar que você tem a versão mais recente do Firefox, clique no botão laranja no canto superior direito da janela, clique no menu Ajuda e em Sobre o Firefox. No Chrome, clique no botão de ajustes no canto superior direito da janela e em Sobre o Google Chrome. Em ambos os casos, você será informado se uma atualização estiver disponível.
Separe alguns minutos e siga também estas nossas dicas para deixar o Chrome, o Internet Explorer ou o Firefox ainda mais seguros. Elas irão protegê-lo não só durante as compras de final de ano, como também durante todas as suas viagens pela web.
Instale proteção contra malware
Outra coisa a verificar antes de ir às compras é o software de segurança. Não faltam opções de utilitários, pagos ou gratuitos, dedicados a proteger seu computador de ataques. E combinando soluções de várias empresas você pode montar um pacote de segurança bastante robusto, sem gastar um tostão sequer.
Tenha em mente que programas conta malware não podem protegê-lo contra todos os ataques, especialmente os baseados em “engenharia social”. Mas nesses tempos modernos, é tolice não usar ao menos um mínimo de proteção.
Procure lojas e vendedores com boa reputação
Se você achou uma boa oferta em um site do qual nunca ouviu falar, é melhor fazer uma pesquisa antes de fechar a compra. Um bom ponto de partida é a lista negra do Procon de SP, que inclui mais de 300 sites com os quais você não deve fazer negócio.
Além disso, procure na internet as opiniões de outros consumidores, seja com uma busca no Google, consultando amigos e conhecidos em uma rede social ou em sites como o Reclame Aqui. Se ainda assim não estiver certo, não feche a compra e procure um site mais conhecido. É melhor pagar R$ 50 “a mais” em um produto e recebê-lo como anunciado do que perder tempo tentando reaver seu dinheiro por algo que não foi entregue no prazo ou não é o anunciado.
Fique de olho no cadeado
Uma loja boa loja tem que usar criptografia SSL para proteger seus dados no momento da transação. Com esta tecnologia apenas seu computador, e o servidor da loja, terão acesso às informações, protegendo-as de um eventual bisbilhoteiro no meio do caminho.
compraronline_cadeado-360px.jpg
O cadeado indica que o site usa criptografia para proteger seus dados
A maioria dos navegadores indica que o site usa criptografia SSL com o ícone de um cadeado ao lado da barra de endereços. Outro sinal é um endereço que começa comhttps://, em vez de http://.
Só divulgue as informações necessárias
Cuidado com sites “curiosos demais” sobre suas informações pessoais. Preencha só os campos necessários para completar o formulário de compra, geralmente marcados com um* ou com um título em cor ou fonte diferente. E preste atenção às perguntas: que motivo tem o site para perguntar o número da agência e de sua conta no banco?
Nunca informe seu número de cartão de crédito via e-mail
Sites legítimos nunca irão pedir via e-mail seu número de cartão de crédito. Ao contrário do que muita gente pensa, e-mails não viajam diretamente do remetente ao destinatário: eles passam por inúmeros servidores no caminho, criando muitas oportunidades para que um malfeitor intercepte a informação. Só digite o número em um formulário em uma página protegida com SSL (veja a dica anterior) em um site no qual você confia.
Use um serviço de pagamento
Serviços como o PayPal ou o PagSeguro atuam como intermediários entre o vendedor e o comprador. Você dá suas informações para o serviço, que faz a cobrança e repassa o dinheiro, mas não os dados do seu cartão, para o vendedor.
E em caso de fraude, como uma cobrança com valor indevido ou um produto que não foi entregue, a maioria dos serviços devolve o seu dinheiro. 
Vai comprar usando um smartphone ou tablet? Cuidado com a origem do app e a conexão
Pra que ligar o computador se você pode fazer as compras num tablet ou smartphone? Usar um dispositivo móvel é certamente mais prático, mas há questões extras de segurança. Uma dica é usar sempre apps adquiridos nas lojas oficiais de sua plataforma (App Store no iOS, Google Play no Android). Antes de instalar o App, veja se o nome do autor é o mesmo nome da loja que ele supostamente representa, e dê uma lida nos comentários. 
Por fim, nunca faça compras quando conectado a uma rede Wi-Fi pública e insegura. O risco de que um malfeitor esteja por perto “escutando” o tráfego de dados em busca de informações é muito alto, especialmente em locais muito frequentados como Shopping Centers e Cafés.
Compare, compare e compare de novo
Cuidado com as falsas promoções. Não é raro comerciantes aumentarem o preço de um produto, digamos, no início de novembro e em dezembro oferecerem um "descontão" vendendo-o pelo que era o preço original antes do aumento. Antes de fechar a compra, compare os preços em outras lojas e não se esqueça de levar em conta o custo do frete na hora de comparar as ofertas. Se ele for alto, pode acabar anulando um eventual desconto.
Use o bom senso
Não há como um smartphone que custa R$ 2.000 numa loja no shopping mais próximo de sua casa custar R$ 400 online. Descontos existem, o que não existe é milagre. Nesse caso a chance de você estar caindo em um golpe, seja comprando um “produto” que nunca será entregue ou uma versão pirata que não tem metade dos recursos e desempenho do original passa dos 100%. Lembre-se do que a vovó dizia: “quando a esmola é grande, o santo desconfia”.
Se algo parece suspeito, como um vendedor que se recusa a informar detalhes sobre um produto, preços bons demais ou uma foto que não combina com a descrição do item, a melhor coisa a fazer é sair correndo e procurar uma loja mais confiável.
(PCWORLD)