segunda-feira, 3 de junho de 2013

Genoma do peixe-boi será mapeado em parceria entre Brasil e Japão

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) anunciou  a realização de um projeto de mapeamento do genoma do peixe-boi da Amazônia.
Um acordo de cooperação firmado entre Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA) e o Centro de Pesquisa de Vida Selvagem (WRC – sigla em inglês), da Universidade de Kyoto (Japão), vai permitir a realização de pesquisas mais detalhadas sobre a reprodução e desenvolvimento da espécie na região. O projeto é pioneiro com mamíferos aquáticos no Brasil, segundo o Inpa.

De acordo com o Instituto, o processo em Manaus é coordenado pelo Laboratório de Mamíferos Aquáticos. Ainda segundo o Inpa, os primeiros trabalhos de levantamento de dados dos animais começaram a ser realizados em fevereiro deste ano, com a coleta de sangue de dois peixes-bois machos vivos do plantel (Lote de animais) do Inpa.

Segundo a pesquisadora da Coordenação de Biodiversidade (CBio/Inpa) e do LMA, Vera Silva, pesquisadores japoneses acompanharam o processo em Manaus e realizaram ainda a extração do DNA dos dois animais. O material coletado será utilizado para sequenciar o genoma do peixe-boi da região.

“Esse estudo vai aumentar o conhecimento sobre a espécie. Vamos saber mais sobre que tipos de alimentos são melhores ou prejudiciais a eles, com que tipo de vírus podem ser afetados, e toda e qualquer coisa que possa afetar externamente esse animal”, explicou.

Após o mapeamento do genoma, segundo a pesquisadora, será possível ampliar ainda mais o nível de pesquisas e conhecimento sobre a biologia e ecologia do animal no seu ambiente natural. Os pesquisadores acreditam que isso pode identificar com mais facilidade doenças, ocorrência de parasitas, hábitos alimentares, entre outros.

“Quando a gente estuda o código genético de uma espécie, da mesma forma que se investiu no passado para estudar os dos seres humanos, descobrimos mais sobre ela. Será possível começar a estudar e trabalhar melhor com as questões de doenças que essa espécie pode ter, uma vez que todos os genes diferentes ou estranhos serão detectados”, disse.

 (Fonte: G1)