sexta-feira, 8 de março de 2013

Polícia da Espanha recupera moeda romana ‘única no mundo’


A polícia da Espanha recuperou uma moeda considerada “única no mundo”, que remonta ao tempo do Imperador Augusto e que havia sido roubada de um colecionador em Madri há um ano com outras 866 moedas romanas e várias joias no valor de 600 mil euros.


Agentes da polícia recuperaram 867 moedas ibero-romanas, cunhadas entre os séculos I a.C e I d.C, e que foram encontradas em uma casa de leilões em Barcelona e em um estabelecimento de compra e venda de ouro em Madri, cujo proprietário foi preso.

As moedas e joias diversas, avaliadas em cerca de 600 mil euros (mais de R$ 1,55 milhão), foram roubadas em abril de 2012 da casa de um colecionador em Madri.

“A coleção é muito importante por seu valor econômico e, especialmente, por sua importância histórica, artística e cultural”, declarou à France Presse o inspetor da Brigada de Patrimônio Histórico, Antônio Tenório, que liderou a investigação.

A peça mais importante desta coleção era uma moeda “única no mundo”, do tempo do imperador Augusto (27 a.C – 14 d.C), que o colecionador tinha comprado em 2002 em um leilão em Nova York por 30 mil euros (cerca de R$ 77,7 mil).

A moeda, com o rosto de César Augusto cravado em um lado, comemora a vitória do Império Romano contra as tribos da Cantábria e Astúrias, que habitavam o norte da Península Ibérica, explicou Tenorio.

“Foi cunhada em bronze, é pesada e é uma das maiores já encontradas. Parece que é única porque não há conhecimento de outra igual no mundo”, acrescentou.

Após o roubo, a polícia espanhola lançou uma busca nacional e internacional. Em 5 de fevereiro, 204 destas moedas foram encontradas em uma sala de leilões em Barcelona, onde foram deixadas para a venda por um joalheiro de Madri.

Eles prenderam o joalheiro em 11 de fevereiro e encontraram o resto da coleção guardada em um local de comércio de ouro em Madri, do qual ele era o proprietário.

O joalheiro é acusado de crime de receptação por adquirir conscientemente uma mercadoria de origem ilícita, mas não foi o autor do roubo.

A polícia suspeita de um grupo de trabalhadores que dias antes do assalto reformaram a casa do colecionador.

(Fonte: G1)