sábado, 25 de fevereiro de 2017

Tecidos biomiméticos inteligentes copiam estrutura dos ossos

Pela primeira vez, engenheiros biomédicos teceram um tecido inteligente artificial que imita as propriedades complexas e sofisticadas dos materiais naturais - mais especificamente, do periósteo do tecido ósseo.

Tecidos biomiméticos inteligentes copiam estrutura dos ossos
Os tecidos artificiais foram produzidos imitando a estrutura do periósteo, a camada vista na diagonal superior da foto.[Imagem: Melissa Knothe Tate]
Tendo obtido êxito em sua prova de conceito, a equipe afirma já estar pronta para produzir protótipos de tecidos para uma ampla gama de materiais funcionais avançados que poderão revolucionar os setores de medicina, segurança e transporte.
As futuras aplicações potenciais vão de roupas de proteção que endurecem sob impacto - para motoristas, pilotos de corrida e astronautas -, bandagens e curativos inteligentes, que respondem ao movimento do usuário, até pneus radiais mais seguros, afirmam eles.
Periósteo
Muitos tecidos de animais e plantas possuem propriedades "inteligentes" e adaptativas. Um desses materiais é o periósteo, uma cobertura de tecido mole que envolve a maioria das superfícies ósseas do corpo.
O arranjo complexo de colágeno, elastina e outras proteínas estruturais dá ao periósteo uma incrível resiliência, conferindo aos ossos maior resistência sob cargas de alto impacto.
Joanna Ng e seus colegas da Universidade de Nova Gales do Sul começaram usando um sistema de imageamento avançado e de alta resolução para mapear a arquitetura dessa estrutura biológica. A seguir, eles produziram versões ampliadas das estruturas individuais e então as teceram para fabricar seus protótipos.
Tecidos para todos os usos
"O resultado é uma série de protótipos de tecidos que imitam as propriedades inteligentes de resistência ao estresse e tensão do periósteo. Também demonstramos a viabilidade de usar essa técnica para testar outras fibras para produzir toda uma gama de novos têxteis," disse a professora Melissa Tate.

"Nosso objetivo a longo prazo é tecer tecidos biológicos - essencialmente partes do corpo humano - em laboratório, para substituir e reparar articulações, que reflitam a biologia, arquitetura e propriedades mecânicas do periósteo," disse Ng.

(Fonte: Redação do Site Inovação Tecnológica )