domingo, 24 de abril de 2016

Em 2030, metade do ar poluído do mundo poderá vir da África

A poluição vinda da África representa, hoje, de acordo as partículas ou os gases levados em conta pela pesquisa (fuligem, carbono orgânico, dióxido de enxofre, dióxido de nitrogênio, monóxido de carbono e hidrocarbonetos não-metânicos), entre 5% e 20% da poluição mundial, informa o estudo publicado na revista especializada Environmental Research Letters.


“Um aumento considerável é esperado até 2030 caso nenhuma medida seja tomada”, escrevem os pesquisadores de uma equipe franco-marfinense pilotada pelo Laboratório de Aerologia do CNRS/Université Toulouse III – Paul Sabatier, que em 2005 traçou um mapa das emissões poluentes na África.

Em 2030, o oeste da África representará 45% das emissões poluentes, com uma participação muito elevada da Nigéria. O leste do continente contabilizará 24% das emissões – encabeçado por Etiópia e Quênia – e 26% estará no sul africano. O norte será responsável por apenas 5% das emissões.

As principais fontes de emissão são gasolina, diesel, veículos de duas rodas, lenha para aquecimento, carvão vegetal ou ainda a combustão de compostos orgânicos.

Globalmente, no oeste da África, a poluição se dá principalmente pelo transporte e o uso doméstico (cozinha). As centrais elétricas e as indústrias do sul da África também são consideradas. No norte do continente, o transporte é a principal causa da poluição.

Os autores da pesquisa se interessaram especialmente pelos dois principais compostos das partículas, o carbono orgânico e a fuligem, emitidos por todos os tipos de combustão. Elas podem variar de partículas muito pequenas até as PM10 (cujo diâmetro é inferior a 10 mícrons).

Segundo o estudo, a quantidade de partículas de carbono orgânico poderia ser multiplicada por três, e a de fuligem por quatro. As emissões de carbono orgânico na África representariam, então, 50% das emissões mundiais em 2030, contra 20% em 2005.

As partículas podem provocar asma, alergia, doenças respiratórias ou cardiovasculares. As menores (menos de 2,5 mícrons), que penetram nas ramificações mais profundas das vias respiratórias e do sangue, foram classificadas como “cancerígenas” pela Organização Mundial de Saúde (OMS). 

(Fonte: Terra)