terça-feira, 21 de abril de 2015

Brasil terá ônibus elétrico híbrido articulado em 2016

Em tempos de mudanças climáticas, problemas de saúde relacionados à poluição e ruídos nas grandes cidades, o desenvolvimento de soluções inovadoras e ambientalmente corretas para o setor de transporte público assume um papel de relevância. 

eletrico-hibrido.jpg
Ônibus elétrico híbrido em Hamburgo, na Alemanha. Menos 75% de CO2 nas ruas
Fotos: Divulgação/Volvo

Uma das novidades nesse sentido são os ônibus elétricos híbridos articulados, que possuem tecnologia plug-in, capaz de permitir recarga rápida nos pontos de embarque e desembarque de passageiros.
Esses veículos deverão circular em Curitiba e Bogotá (Colômbia), no início de 2016, em fase de testes. 

Produzidos pela Volvo, os ônibus elétricos híbridos são oferecidos às cidades pela multinacional sueca como um pacote abrangente, que inclui também infraestrutura para recarga da bateria nos pontos de parada e serviços de pós-venda para otimizar a operação. Como no modelo híbrido, a bateria não é vendida junto com o veículo, é cedida ao operador de transporte por um custo fixo por quilometro rodado.

"Não adianta colocarmos simplesmente um ônibus dotado dessa tecnologia em uma cidade cujo sistema de transporte é desorganizado", justifica Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, em entrevista ao EcoD. Em Itajaí (SC), onde a companhia sueca sediou no último final de semana mais uma etapa da regata mundial Ocean Race, o executivo, que é engenheiro mecânico de formação, destacou os benefícios da chamada "eletromobilidade". 

hibrido-curitiba.jpg
Modelo híbrido em Curitiba. Capital paranaense ganhará ônibus elétrico híbrido em fase de testes

Redução de poluentes


Estamos customizando um projeto global para atender as necessidades de transporte da América Latina, de ônibus de alta capacidade para circular nos corredores do BRT (Bus Rapid Transit). A demanda por ônibus com baixas ou zero emissões está crescendo na América Latina. Bogotá, adotou um ousado plano de redução de emissões no transporte urbano. No Brasil, Curitiba e Rio de Janeiro também estão caminhando nesta direção”, reforça Pimenta.

Lançado comercialmente em agosto de 2014, na feira internacional de veículos IAA em Hannover, na Alemanha, o ônibus elétrico híbrido já está em operação em Gotemburgo (Suécia); Hamburgo (Alemanha); e na cidade de Luxemburgo (Luxemburgo).

Segundo os especialistas da Volvo, o modelo possui tecnologia plug-in e reduz o consumo de combustível e de emissão de gás carbônico (CO2) em até 75%, em comparação com o ônibus diesel convencional. Por sua vez, o consumo total de energia é diminuído em 60%.

Um estudo de mestrado desenvolvido na Escola Politécnica da USP pelo engenheiro Godofredo Winnischofer atestou que um modelo elétrico híbrido produzido em série, que apresenta um motor a combustão interna e aciona um gerador elétrico, consegue uma redução de poluentes da ordem de 99% para hidrocarbonetos, 82,5% de monóxido de carbono e 96% de óxido de nitrogênio.

luis pimenta, diretor da volvo na am�ica latina, defende a viabilidade dos el�ricos h�ridos.
Há ainda a previsão de avançar o projeto para outras cidades na América Latina, como Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil; e Santiago, no Chile. "Até 2020 queremos ter pelo menos 10% dos ônibus que fazem longos trajetos na AL nesse sistema de eletromobilidade", projeta Edward Jobson, diretor de Meio Ambiente da Volvo Bus. 


“O desenvolvimento do transporte público eletrificado tem avançado muito rapidamente. O principal impulso vem dos tomadores de decisão, que querem reduzir drasticamente o consumo de energia, a poluição e o barulho nas áreas urbanas”, reforça Håkan Agnevall, presidente mundial da empresa.



Custos e incentivos


Como nem tudo são flores, os ônibus elétricos híbridos custam até 50% a mais do que os convencionais a diesel, sobretudo porque são dotados de dois motores. Contudo, essa diferença cai para os operadores quando o poder público oferece incentivos voltados a esse setor. Um bom exemplo vem de Bogotá, que utiliza atualmente 177 unidades do modelo híbrido em seu sistema de BRT. Na capital colombiana, por exemplo, a cobrança de imposto sobre importação tem desconto de 5% e não existe a tributação acerca da venda - o que equivale a 33% e 16% do valor do veículo, respectivamente.


Aqui no Brasil, o único incentivo concedido atualmente, segundo Pimenta, é a carência de dois anos para o financiamento por meio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). De acordo com o presidente da Volvo Bus Latin America, os estados e municípios brasileiros também deveriam oferecer benefícios, até porque "esses ônibus se pagam ao longo do tempo" e trazem inúmeras vantagens ambientais para à população. "A liberação de publicidade nos veículos, que é proibida em boa parte do Brasil, pode ser uma das alternativas criativas para os operadores minimizarem os custos", aponta.
*O repórter viajou à Santa Catarina a convite da Volvo.