sábado, 17 de janeiro de 2015

Questões que você deveria fazer antes de virar alvo de hackers

Cinco perguntas para iniciar as discussões de segurança e preparar uma jornada que reduza riscos para sua organização.

Falhas de segurança acontecem. Você está preparado? A prevenção continua a ser a melhor postura. Em tempos de elevação no volume de ameaças, muitas companhias percebem a importância de canalizar esforço e recursos para minimizar os impactos das ações de cibercriminosos. Eis aqui cinco questões a serem consideradas antes de colocar um novo projeto de segurança em prática. 

1. Qual a abordagem adotar?

Você já compreendeu que uma violação ou ataque é algo praticamente inevitável? Durante o ano passado, muitos executivos e empresas passaram a aceitar a noção de que vazamentos e falhas de segurança são mais uma questão de “quando” do que algo que pode efetivamente ser evitado. Isso significa justamente preparar-se com as armas adequadas para sofrer o menor impacto possível caso um episódio desses ocorra. Se aceitar a mentalidade de “assumir a violação”, o que e como monitorar o ambiente? Quais as prioridades? Isso demandará eventuais mudanças de abordagens ou substituição de legados?

2. Quão confiante estou com a estrutura atual?

Qual o seu nível de confiança em relação aos colaboradores de sua empresa, processos e tecnologia?  Considere esses três temas no âmbito de prevenção, detecção e resposta. É possível confiar nos seus sistemas atuais? Caso uma falha ocorra, sua estrutura irá avisá-lo? Com quanta agilidade e precisão? Ultimamente, a abordagem de “assumir a violação” é uma oportunidade para promover melhorias, mudando modelos de treinamento e postura das pessoas, fortalecendo processos e tecnologias. 

3. O que é possível automatizar?

Quando confrontado com a falta de tempo e recursos, uma saída é buscar o máximo possível de automatização. Isso significa explorar ativamente o que pode ser automatizado em termos de prevenção, detecção e resposta. A chave, contudo, é assegurar que essa postura melhore as condições da equipe para que as pessoas se concentrem onde conseguem adicionar o máximo valor possível. Lembre-se: automação que dá trabalho só cria mais problema. 

4. O que os testes ensinaram?

Testes são uma oportunidade validar modelos e expor o ambiente a falhas. Mais que isso, uma ferramenta poderosa para promover melhorias. Projetar essas ações – sejam realizadas internamente ou por agentes externos contratados – para validar o que você sabe e sondar as áreas que se sente menos confortável é uma prática muito válida. Com o tempo, você deve observar melhorias, assegurando ao mesmo tempo seus focos em pontos que demandam maior proteção e valor. O que esses testes têm mostrado e como eles melhoraram sua estrutura/ambiente?

5. O que acontece quando uma violação acontece?

Mais do que as outras perguntas, esta é uma conversa inicial. Na maioria dos casos, essa questão significa um desdobramento de estratégias e ações em termos de segurança. Com a ideia de se/quando uma violação ocorre significa uma definição do rumo que será traçado. 

Em um vazamento de informações, quais as prioridades de negócios precisam ser consideradas em primeiro lugar? Os colaboradores sabem como agir nesses casos? Qual o impacto à organização? Que áreas ou profissionais precisam de envolvimento maior?

Por fim, use essas questões para iniciar as discussões de segurança na sua organização e preparar uma jornada que lhe ajude a ter o menor impacto possível quando um evento de vazamento de informações ocorrer. Lembre-se, também, que a evolução precisa ser constante. 

(COMPUTERWORLD)