quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Nem todas as espécies envelhecem da mesma maneira, humano pode ser exceção

Humanos adultos ficam mais fracos à medida que envelhecem e morrem, mas esse não é o padrão típico entre as espécies.


Alguns organismos não parecem mostrar sinais de envelhecimento. Estas são algumas das conclusões do primeiro estudo do tipo, publicado na Nature. O estudo compara os padrões de envelhecimento de seres humanos e outras 45 espécies.

“Todos nós temos idéias preconcebidas sobre o envelhecimento e como ele deve ser”, disse Pedro F. Quintana-Ascencio , biólogo da Universidade de Flórida Central e um dos colaboradores do estudo. “Mas este estudo mostra que realmente precisamos de um olhar mais profundo sobre o envelhecimento com mais profundidade. Nem tudo é o que parece entre as espécies. Seres humanos, especialmente os humanos modernos, parecem ser discrepantes.”

A equipe contrastou como vertebrados, invertebrados, plantas e uma alga verde envelhecem. Humanos modernos, sapos, leões, piolhos e a Hypericum cumulicola, uma planta nativa da Flórida, estavam entre as espécies comparadas.

O estudo concluiu que a mortalidade de algumas espécies, como homens e pássaros, aumenta com a idade. Para algumas, como a planta da Flórida, o crescimento é menor. E para outras, como a tartaruga de deserto e certas árvores, a mortalidade diminui com a idade.

Os pesquisadores apontam que não há forte correlação entre os padrões de envelhecimento e expectativa de vida típicos das espécies. As espécies podem ter aumento da mortalidade e ainda viver um longo tempo, ou ter uma diminuição da mortalidade e viver um curto espaço de tempo, dizem os pesquisadores da Max-Planck Odense Center.

“Não faz sentido considerar o envelhecimento tendo como base a idade em que a espécie pode chegar”, disse o biólogo evolutivo Owen Jones, do Max- Planck. “Em vez disso , é mais interessante para definir o envelhecimento como sendo baseado nas trajetórias de mortalidade : se as taxas aumentam, diminuem ou permanecem constantes com a idade.” 

(Fonte: UOL)