segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Peixes têm pouca gordura saturada e fazem bem para a saúde do coração

O peixe é uma proteína de excelente qualidade com o benefício ainda de ser uma carne magra. Comparado à carne bovina, suína e ao frango, é o que tem o menor teor de gordura saturada e, por isso, traz muitos benefícios para o coração, como explicou o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni no Bem Estar .


Outra vantagem dos peixes é que eles têm ômega 3, uma gordura boa que ajuda até mesmo na prevenção de doenças cardiovasculares. No Brasil, os tipos que mais têm essa substância são a sardinha, o peixe filhote e a pescada amarela, como mostrou o cardiologista Daniel Magnoni. No caso da sardinha, existem três maneiras de consumo: em óleo, que tem gorduras boas; na água, que tem menos calorias; e no molho de tomate, rica em fibras e antioxidantes.
Para quem está de dieta, optar pela sardinha em óleo ou até mesmo pelo atum é uma maneira de ingerir gordura poli-insaturada (se for óleo de soja) e monoinsaturada (se for óleo de oliva), que também fazem bem para a saúde, se consumidas na quantidade adequada.

Já o salmão, um dos tipos mais consumidos no país, não tem a mesma quantidade de ômega 3 da sardinha, por exemplo, já que é uma truta criada em cativeiro e colorida artificialmente – alguns criadores dão ração enriquecida com ômega 3, mas não tem a mesma absorção, segundo o médico.

No hemisfério norte, por outro lado, o salmão tem muito ômega 3 porque se alimenta de um outro peixe azul que ingere uma alga específica com grande quantidade dessa gordura. Os esquimós, por exemplo, comem esse salmão e apresentam maiores benefícios à saúde.

É preciso tomar cuidado com a forma de preparo – os empanados e fritos, apesar de serem os mais irresistíveis, são os mais nocivos à saúde já que levam farinha, ovo e muita gordura. Além disso, as frituras geralmente são muito calóricas – um filé de peixe de 120 gramas, por exemplo, chega a ter 360 calorias.

Por isso, os grelhados, assados e cozidos são as melhores opções e, além de serem mais saudáveis, podem ser saborosos, como mostraram as receitas da nutricionista Naíra Becker, na reportagem da Andressa Lorenzetti, de Cuiabá, no Mato Grosso.

Nas preparações feitas pelo chefe de cozinha, o limão foi muito utilizado – muita gente acha que o limão faz a gordura derreter dentro e fora do corpo, mas como explicou o cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui, isso é um mito.

Como tirar a espinha? – Muita gente sofre na hora de comer peixe por causa da espinha – no entanto, é possível vencer essa luta e saborear o prato sem sofrimento.

Na reportagem da Carla Modena, a dona de restaurante Teresa Pires Morgado ensinou um passo a passo para separar a espinha – primeiro, ela faz um corte na parte de cima, da cabeça até o rabo, para abrir a pele; depois, faz um corte leve, como se fosse cortar o rabo, mas sem aprofundar a faca; em seguida, ela passa a faca como se fosse fatiar o peixe ao meio. Então, a espinha se desprende e sai junto com a cabeça.

De acordo com o cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui, se a pessoa engole a espinha, ela geralmente passa pelos órgãos em uma posição vertical e sai nas fezes sem nenhum dano.

Mas há o risco, mesmo pequeno, de ocorrer a perfuração de algum órgão, geralmente o esôfago ou intestino, e causar uma infecção – nesses casos, o tratamento é cirúrgico.

Por isso, o paciente que engole uma espinha mais dura deve procurar um médico para fazer uma endoscopia, principalmente se sentir algum desconforto logo depois. Se for uma espinha pequena, mais mole, só é preciso buscar ajuda se houver algum incômodo.

 (Fonte: G1)