domingo, 22 de dezembro de 2013

Como aumentar tempo da bateria de seus dispositivos móveis

Desabilite recursos desnecessários, faça uma coisa de cada vez e tenha cuidado na recarga para ficar mais tempo longe das tomadas!

Embora esteja mais fácil encontrar tomadas em aviões e espaços públicos, sempre haverá momentos em que você terá de ficar de olho na bateria de seu notebook, smartphone ou tablet porque não tem como recarregá-la. Não importa se você esqueceu o carregador, está longe da cvilização ou simplesmente não quer ficar preso a um fio, aqui estão algumas dicas para fazer a carga de suas baterias durarem mais tempo.
Dicas para todos

Fato: uma bateria tem uma capacidade pré-definida, e não há nada que você possa fazer para ampliá-la, pelo menos não de forma segura. Pergunte à Boeing ou ao CEO da Tesla, Elon Musk.

Se a capacidade elétrica é finita, é óbvio que você terá de reduzir o consumo para aproveitar a carga por mais tempo. E a única forma de fazer isso é reduzindo ou desligando recursos, da mesma forma que você desliga aparelhos e lâmpadas na casa para reduzir a conta de luz. Você provavelmente já sabe disso, mas talvez não saiba quantas coisas podem ser desligadas.
O componente mais óbvio, e um dos principais vilões do consumo em aparelhos portáteis, é a tela. Reduza o brilho o máximo que puder, e deixe-a desligada quando ela não for necessária. A maoria dos aparelhos permite definir um tempo de inatividade até o desligamento automático, e quanto mais agressivo for o ajuste, mais energia você irá economizar.
O receptor de GPS e o software de navegação que o utiliza também estão entre os mais notórios “fominhas” um smartphone. Eles exigem muito não só do receptor GPS (para determinar a posição), como também do rádio (para download dos dados do mapa via 3G ou 4G) e da GPU (para gerar e exibir os gráficos). Se você está com pouca bateria, o melhor é memorizar o caminho geral até o local para onde deseja ir e ligar o GPS só no final do trajeto. Se possível, desligue a tela e use apenas as instruções faladas.
bateria_lumia920-580px.jpg
Um dos problemas com um smartphone de bateria fixa, como o Lumia 920
ou os iPhone, é que você não pode levar um bateria extra na bolsa.

Bluetooth, dados móveis (3G e especialmente 4G) e Wi-Fi também consomem muita energia. Desligá-los quando não são necessários pode até dobrar a autonomia de sua bateria. Um jeito fácil de desligar tudo isso de uma vez é colocar o celular em modo avião, projetado para evitar que o aparelho desperdice bateria procurando por sinais inexistentes a 35 mil pés.
Por fim, temos a multitarefa. Mesmo que um aplicativo não esteja visível na tela, o simples fato de que ele está rodando em segundo plano significa que ele está realizando tarefas e demanda atenção do sistema operacional, ou seja, ciclos do processador, consumindo energia. Se a carga da bateria está “nas últimas”, feche todos os outros aplicativos e faça uma coisa de cada vez.
Dicas para usuários de notebooks
O que discutimos até agora vale para qualquer dispositivo de computação móvel, mas você pode fazer muito mais se o dispositivo em questão é um notebook. Além de reduzir o brilho da tela e desligar os rádios, há muito mais coisas que você pode desligar, como a iluminação do teclado, alimentação das portas Wi-Fi e USB, câmeras, som, placa de vídeo secundária e até o drive óptico (se seu notebook tiver um). A economia desligando apenas um item pode não ser muita, mas desligue vários deles e você poderá notar a diferença.
Pra desativar quase qualquer componente de hardware (processadores e controladores de disco são uma excessão), digite “Gerenciador de Dispositivos” na Tela Iniciar (ou na caixa de buscas no rodapé do Menu Iniciar) e tecle Enter. Para desabilitar um item específico (como a placa de som) clique com o botão direito do mouse sobre ele e escolha a opção Desativar. Talvez seja necessário reiniciar o sistema para que a mudança faça efeito. Siga o mesmo procedimento para ativar novamente o componente mais tarde.
bateria_dispositivos-580px.jpg
Desative dispositivos desnecessários para reduzir o consumo de energia

E há o software. Já falei sobre rodar um aplicativo de cada vez, mas eles são apenas a ponta do iceberg. Você pode não perceber, mas seu computador provavelmente está rodando dezenas de processos que até podem ser úteis, mas não são essenciais. Entre eles atualizadores de software, painéis de controle de impressoras e scanners e aplicativos do seu serviço de armazenamento online. Há até mesmo vários serviços do Windows, como a indexação de arquivos para facilitar as buscas, que podem ser desabilitados. 
Para desativar os processos desnecessários tecle Ctrl+Alt+Del e selecione a opção “Gerenciador de Tarefas”. Clique na aba “Processos” para ver o que está rodando. Para fechar um processo clique com o botão direito do mouse sobre ele e clique em Finalizar Tarefa.
No geral você pode “matar” com segurança qualquer processo que tenha um nome de terceiros (Adobe, Apple, Dell, Google, HP, Dell, etc). O Windows 8 facilita as coisas, separando a lista em “Processos em Segundo Plano” gerador por aplicativos de terceiros e “Processos do Windows”, que você deve deixar em paz. Não se preocupe porque a “morte” de um processo não é permanente, e ele irá rodar normalmente na próxima vez em que você reiniciar o sistema. 
bateria_tarefas-580px.jpg
Fique atento a processos em segundo plano, que podem estar
consumindo ciclos do processador, e energia, sem necessidade

Se você quer desabilitar processos e apps de forma mais permanente rode o utilitário “Configuração do Sistema” (digite msconfig e Enter na Tela Iniciar ou no campo de busca no rodapé do Menu Iniciar). Nas abas Startup e Serviços você vai encontrar itens dos quais não precisa. E se por acaso você desativar algo importante, basta voltar a mesma aba e reativar. ]
Desinstalar aplicativos que você não usa também pode ajudar a economizar energia: o espaço ocupado por eles no disco não fará diferença alguma, mas eles podem ter processos rodando em segundo plano consumindo energia.
Como prolongar a vida útil de uma bateria
Os truques para maximizar a vida útil de uma bateria de íons de lítio, ou seja, o número de vezes em que ela pode ser recarregada antes que deixe de reter uma carga, são básicos. Há três coisas que podem acelerar o “envelhecimento” de uma bateria: drená-la constantemente até o ponto onde o aparelho onde ela está se desliga sozinho, calor e nível ou voltagem de carga excessivos. O último fator na verdade é perigoso, e pode levar a incêndios e até mesmo explosões.
O númerio de ciclos de recarga possível em uma bateria de íons de lítion cai de acordo com até que ponto ela é drenada regularmente. Você pode conseguir até 5 mil ciclos se descarregá-la até no máximo 90% de cada vez, e talvez apenas algumas centenas de ciclos se deixá-la ir até 10%. É um bom motivo para não esperar pelo alerta de bateria baixa antes de recarregá-la.
Deixar seu aparelho a bateria em um carro quente, ou próximo a uma fonte de calor, pode reduzir significativamente a capacidade de recuperação, ou seja, quanto de carga uma bateria esgotada pode absorver. É fácil reduzir uma autonomia de quatro horas para três horas em alguns meses se você fizer isso. Carregadores sem fio tem uma eficiência de apenas 80%, ou seja, 80% da energia que recebem da tomada é transferida para seu aparelho, e os 20% restantes são perdidos na forma de calor. Ou seja, por mais bonitos e convenientes que seham, podem acabar reduzindo a vida útil de sua bateria.
Evitar o calor não significa que congelar seus gadgets ou baterias fará com que eles durem para sempre. De fato, baterias de íons de lítio não recebem carga se a temperatura ambiente estiver abaixo do ponto de congelamento. Carros elétricos e híbridos precisam manter as baterias aquecidas em climas frios. No geral, a temperatura mais confortável para sua bateria é de 15 graus Celsius.
Quanto a carga ou voltagem excessivas, você está à mercê do aparelho, carregador e fabricante da bateria. Baterias de íons de lítio tem controladores de carga integrados que impedem que estes problemas ocorram. Por isso é importante evitar baterias e carregadores “piratas”. Na corrida para conseguir o menor preço possível os fabricantes destes aparelhos acabam cortando custos onde não deviam, o que resulta em controladores de carga inadequados ou simplesmente inoperantes. O resultado? Fogo ou uma explosão.
Se você notar calor excessivo na bateria ou no aparelho que está sendo carregado, pare de usá-lo até descobrir o que está acontecendo. Contate o fabricante. Se a bateria pegar fogo leve-a imediatamente para um local onde não possa incendiar mais nada, se for possível fazer isso com segurança. E afaste-se, já que os subprodutos da combustão podem ser tóxicos e corrosivos.
E se precisar guardar uma bateria de íons de lítio, tente armazená-la a 15 graus com cerca de 40% de carga. Isso impedirá que a bateria “adormeça” e nunca mais acorde. É por isso que ao comprar um novo gadget ele frequentemente vem com a bateria parcialmente, mas nunca completamente, carregada.
No final das contas, o resumo da história é o seguinte: para aumentar a autonomia, desligue ou reduza o que puder. Para estender a vida útil de uma bateria, não deixe que ela chegue constantemente a um nível baixo demais, nem a exponha regularmente ao calor. Se precisar guardá-la, faça isso a 15 graus com 40% da carga.
Que suas baterias tenham uma vida longa e próspera!

(COMPUTERWORLD)