terça-feira, 2 de julho de 2013

A importância dos supermercados “verdes”

Cerca de 25 milhões de pessoas passam diariamente nos supermercados, que devem dar o exemplo de ações sustentáveis que impactem a indústria e influenciem os consumidores. “Varejo sustentável” foi o tema escolhido para fechar o clico de debates da Semana do Meio Ambiente, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.


A secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Mariana Meirelles, reforçou a importância de debater este tema, que faz parte do dia a dia das pessoas. Por isso, o varejo sustentável é um dos temas prioritários do Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS), lembrou a presidente do Jardim Botânico e mediadora do debate, Samyra Crespo. O plano foi criado pelo MMA para alterar os padrões de produção e consumo no país, por meio de parcerias e políticas. “Precisamos de todos os setores envolvidos para fazer a transformação que queremos”, destacou.

“O varejo tem o papel de ser um elo entre a indústria e o consumidor final”, enfatizou a vice-presidente de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade do Walmart Brasil, Daniela de Fiore. O varejo gera impactos ambientais no que diz respeito ao uso energético, transporte de produtos, práticas agrícolas, embalagens e consumo de água. Neste sentido, algumas atitudes sustentáveis já estão sendo tomadas por diversas empresas.

Alternativas - Exemplos de ações no âmbito do Brasil e do mundo: aquisição de energia renovável, construções de supermercados sustentáveis, reutilização da água, redução do uso de ar condicionado, certificações, indicadores em toda cadeia produtiva, etiquetas ambientais, estações de reciclagem, oferta de produtos orgânicos, recolhimento do óleo de cozinha usado, pilhas, baterias e medicamentos vencidos, dentre outros.
Nesta linha, a diretora de sustentabilidade da Unilever, Lígia Camargo, relatou que a empresa está promovendo a sustentabilidade como modelo de negócio. Para o responsável pela área de Relações Corporativas do Grupo Pão de Açúcar, Paulo Pompilho, o desafio do varejo é ser consciente em um modelo econômico capitalista, mas que o mercado está evoluindo em diferentes patamares.

O diretor de responsabilidade do grupo Carrefour, Paulo Pianez, frisou que o objetivo do varejo também está em mostrar para o consumidor que muito do que é feito nos supermercados pode ser usado nas casas. Os debatedores reforçaram a necessidade de incentivar a promoção da educação para a sustentabilidade no varejo e da realização de campanhas de conscientização.

Compartilhamento - O presidente do Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), Victor Bicca, falou sobre o poder do varejo em puxar as transformações da indústria e dá o exemplo para o consumidor. Ele citou a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) como um exemplo de política inovadora, pois traz a questão da responsabilidade compartilhada em todos os níveis. “A legislação brasileira é uma das mais avançadas neste tema, aliada à economia verde”, opinou.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Paulo Pompilho, discorreu sobre o pacto firmado entre a associação e o ministério, que prevê a redução de 40% do uso de sacolas plásticas – principal item para levar as compras de supermercado, até 2015. “A sacola vem sendo um ícone desse processo de transição, mudança de cultura e conscientização”, afirmou.

 (Fonte: MMA)