quarta-feira, 26 de junho de 2013

Planetas rochosos próximos ao Sol

No Sistema Solar, Vênus e Terra têm tamanhos e composição semelhantes, porém Vênus não tem água, e as razões para esta diferença não são bem compreendidas até hoje.
Uma equipe de pesquisadores japoneses conseguiu provar, em um modelo simples, que um planeta rochoso perto do Sol pode se solidificar tão lentamente de modo que a água seja perdida para o espaço, ao passo que um planeta mais distante do Sol pode se solidificar rapidamente e manter água em sua superfície. Segundo os japoneses, foi isso que aconteceu com Vênus e com a Terra, respectivamente.

A equipe da Universidade de Tóquio descobriu ainda que há um limite em relação à distância do planeta com sua estrela, onde a influência do calor da estrela sobre o planeta faria com que substâncias voláteis como a água evaporassem. De acordo com a pesquisa, a Terra estaria além desta distância, enquanto Vênus estaria na fronteira deste limite.

“O início da história dos planetas terrestres [formado por rochas e metais] depende se a radiação estelar exceder o limite de distância que faz com que a água evapore. Conseguimos definir esta distância que faz com que existam dois tipos de planetas terrestres”, disse ao iG Keiko Hamano, autor principal do estudo publicado esta semana no periódico científico Nature .

Linda Elkins-Tanton, do departamento de magnetismo terrestre do Instituto Carnegie, nos Estados Unidos, e que não participou do estudo, afirma que após a solidificação do planeta, ele se resfria enquanto a água despejada em forma de vapor na atmosfera. Quanto maior o tempo de solidificação e resfriamento, mais água é perdida para o espaço e mais seco se torna o planeta. ”A distância de um planeta terrestre com sua estrela pode determinar esta dicotomia evolutiva”, disse Linda em um comentário sobre o estudo também publicado no periódico.

Antes do estudo de Hamano, acreditava-se que planetas terrestres, como a Terra e Vênus, estariam em estado fundido logo após a sua formação. De acordo com esta teoria, planetas com tamanhos parecidos se solidificariam ao mesmo tempo. “Nossos resultados mostram que a evolução subsequente no manto e na atmosfera pode ser diferentes mesmo em planetas de condições iguais, mas que orbitam a distâncias diferentes do Sol”, disse Hamano.

O modelo desenvolvido por Hamano é baseado em processos físicos e é aplicável em qualquer planeta rochoso, inclusive os de fora do Sistema Solar. “A dicotomia prevista na evolução do planeta possivelmente será comprovada em observações futuras de exoplanetas”. 

(Fonte: Portal iG)