domingo, 30 de junho de 2013

Do que você realmente precisa para proteger seu smartphone?

Há ameaças à solta que podem colocar em risco seu aparelho e as informações dentro dele, mas não tantas quanto você pensa. E os motivos para instalar um app de segurança são outros!

Se você se deixar levar pelas manchetes, a segurança em dispositivos móveis é uma causa perdida. O Android é o “Rei” do Malware! Zilhões de apps maliciosos foram encontrados! OS HACKERS ESTÃO LENDO SEU WHATSAPP E MANDANDO PORNOGRAFIA PRA SUA AVÓ!
É o suficiente para fazer qualquer um enrolar o smartphone em papel alumínio e se encolher de medo em algum canto. Mas não acredite em tudo o que ouve.
O céu não está caindo, e seu smartphone não está mandando fotos “picantes” para sua avó. Embora seja interessante instalar um aplicativo de segurança em seu smartphone, não é pelos motivos que você imagina. E quanto a todos aqueles apps maliciosos? A não ser que você seja muito descuidado, as chances de instalar um em seu aparelho são infinitamente pequenas.
Bem-vindo à realidade de segurança móvel
Muito barulho por (quase) nada
Uma coisa sobre todos estes relatos apavorantes: a maioria deles vem das mesmas empresas que querem lhe vender soluções de segurança - Ou seja, eles não são exatamente imparciais.
Felizmente eu consegui encontrar alguns especialistas honestos e imparciais que trabalham para três renomadas empresas de segurança: a Lookout, que produz um popular aplicativo para smartphones Android, a McAfee, que dispensa apresentações, e a AV-Test, um instituto independente especializado em segurança de tecnologia. Todos me contaram a mesma coisa sobre as ameaças a dispositivos móveis.
“Se você seguir precauções simples como só instalar apps do Google Play, não baixar coisas de sites suspeitos ou apps piratas e não clicar em links suspeitos em e-mails pelos quais não estava esperando, então estará bem seguro”, diz Marc Rogers, principal analista de segurança na Lookout. “O Google tem um processo bastante eficiente para vetar aplicações potencialmente nocivas”.
E se você usa o iOS, também não tem o que temer: o processo de aprovação da Apple é ainda mais severo.
Andreas Marx, CEO da AV-Test, concorda com Rogers. “A situação do malware em dispositivos móveis entre os usuários dos EUA e Europa ainda não é problemática. A maioria do malware está se espalhando apenas na China e na Rússia”.
mobilesecurity_droidcleaner-360px.jpg
Ameaças como o Droid Cleaner não duram muito tempo no Google Play
“O Google Play não é completamente seguro”, diz Marx, “mas é bem mantido e mesmo quando apps maliciosos conseguem entrar na loja - e criminosos estão trabalhando duro para isso - eles são removidos rapidamente. A Google também pode apagar remotamente aplicativos de seu smartphone, caso eles representem um grande risco”.
Mas…
E aí você me diz: “Oba! Quer dizer que posso deixar meu smartphone sem um aplicativo de segurança sequer e viver minha vida despreocupado?”
Não exatamente. Todas as organizações relatam ter visto um aumento no malware projetado para driblar as precauções de segurança instaladas pela Google, Apple e outros “guardiões” de plataformas. Coisas como sites maliciosos, lojas de terceiros oferecendo versões “gratuitas” de apps pagos populares e e-mail de “phishing” contendo links para sites ou apps “envenenados”.
Embora a ameaça ao usuário comum ainda seja pequena, os malfeitores definitivamente estão ficando mais espertos. A Lookout recentemente identificou uma família de malware apelidada de BadNews, que se disfarçava como sendo uma rede de publicidade e foi integrada a 32 apps no Google Play, só começando a agir de forma maliciosa depois que estes apps foram baixados entre 2 e 9 milhões e vezes. O dano, entretanto, foi limitado em sua maioria a usuários na Rússia.
A segurança embutida nas lojas não o protefe contra truques como este. E agora um pouco de ironia: o Android é tipicamente criticado como sendo o sistema operacional mais vulnerável, em comparação com o iOS, mas Marx diz que o iOS é na verdade mais vulnerável a ataques de phishing, já que a App Store da Apple tem poucos apps anti-malware viáveis.
E mais: o conteúdo de nossos dispositivos móveis praticamente garante que as tentativas de ataque irão continuar.
“Pense nisso: seu smartphone é, para todos os propósitos, um computador”, diz Luis Blando, vice presidente de desenvolvimento de produtos móveis na McAffee. “Se você o usa para o trabalho, ele tem todos os dados corporativos que sua empresa quer proteger. E o que é pior: tem seu calendário, sua conta no Google e na Amazon e Deus sabe mais o quê. Como alvo, os smartphones são praticamente irresistíveis para os hackers”. 
Exagero? Talvez, mas também é verdade, e isso levou a AV-Test a revisar suas recomendações quanto à segurança móvel.
A situação está mudando, diz Marx. “Mais e mais ataques estão focando os usuários móveis nos EUA, então as coisas estão ficando mais arriscadas. Portanto, recomendamos o uso de software de segurança em seu Android. No ano passado dizíamos “é um componente opcional, mas será necessário no futuro”. Agora dizemos: use!”.
mobilesecurity_apps-360px.jpg
Não faltam opções em apps de segurança
Não nos entenda mal: se você for atento e cuidadoso, o risco de infecção ainda é bastante baixo. Mas com mais e mais malfeitores tentando encontrar uma forma de entrar em seu smartphone sem passar pelas lojas de apps, usar um aparelho Android desprotegido é um risco.
Mesmo que você não tenha muito dinheiro, pode manter seu smartphone bastante seguro usando um dos apps de segurança gratuitos para Android que está disponíveis, entre eles produtos da Lookout, AVG, Avast, Symantec, McAfee e outros. Mas as soluções gratuitas geralmente te deixam na mão quanto o assunto são os recursos de segurança que são os mais úteis.
O verdadeiro motivo para ter um app de segurança
Mesmo que você praticamente não navegue na internet e tenha hábitos de segurança impecáveis, ainda é recomendado que você instale um app de segurança. É que eles te protegem contra mais do que malware.
“Um dos maiores riscos na segurança de dispositivos móveis é perder o aparelho”, diz Blando. “Quando isso acontece, o prejuízo não é só o custo do aparelho, mas também o custo e incômodo de perder suas informações”.
Isso é especialmente verdadeiro quanto o aparelho é roubado. As pessoas armazenam suas vidas inteiras em seus aparelhos, e as deixam abertas a qualquer um que pegá-lo. Incontáveis estudos mostram que poucas pessoas “trancam” seus aparelhos com uma senha, e perder um dispositivo móvel é algo muito comum.
No ano passado o recurso “Find My Phone” do app da Lookout (que ajuda a localizar um aparelho) foi usado mais de 9 milhões de vezes, ou uma vez a cada 3.5 segundos, em média. A metade dos assaltos em an Francisco e 42 porcento deles em Washington, D.C. são relacionados ao roubo de smartphones, segundo relatou recentemente o New York Times.
lookout-360px.jpg
O Lookout Mobile Security tem recursos para localizar um aparelho extraviado
O iPhone tem recursos robustos contra perda que podem ser configurados facilmente, inclusive o bloqueio e exclusão remota de dados do aparelho e funções para encontrá-lo. As soluções antifurto encontradas no Android não são tão robustas, o que leva os especialistas a recomendar aos usuáriossoluções de terceiros.
“A pergunta “o que você espera de um pacote de segurança em um dispositivo móvel?” tem uma resposta fácil: “que ele o ajude quando seu aparelho for perdido ou roubado, seja localizando-o ou destruindo os dados nele armazenados para que não caiam em mãos erradas”.
Embora algumas soluções de segurança gratuitas incluam algumas ferramentas antifurto no pacote - como o Find My Phone da Lookout - praticamente todos os fornecedores de segurança incluem os recursos mais úteis, como backup, localização e controle remoto, em seus produtos pagos.
Em outras palavras, embora os usuários cuidadosos possam viver com uma solução de segurança gratuita em seus PCs, economizar em um pacote no Android significa que você não terá acesso aos recursos de que irá realmente precisar caso perca seu aparelho.
Nossa recomendação
Se você anda por aí com um iPhone no bolso, não tenha pressa em comprar uma solução de segurança. Não porque o iOS é inerentemente mais seguro que o Android - todos os sistemas operacionais móveis são altamente seguros - mas porque a Apple já oferece recursos para localizar e fazer backup de um smartphone, e porque nenhuma das poucas opções de segurança disponíveis na App Store pode realmente protegê-lo contra o crescente risco de ataques de phishing, entre outras ameaças.
A situação é um pouco diferente no Android. Você vai querer pelo menos um app gratuito, e recomendamos pagar por uma versão “premium” para ter acesso às cruciais ferramentas de segurança remotas.

mobilesecurity_avg-360px.jpg

Há muitas opções no mercado, várias delas já mencionadas ao longo deste artigo. Se você realmente não quer, ou não pode, gastar, sugerimos o AVG Antivírus Free, por um motivo simples: mesmo na versão gratuita ele permite localizar, bloquear e apagar um smartphone, entre muitos outros recursos. A versão Pro (US$ 15) também permite fazer backup de apps em um cartão SD, proteger apps com uma senha e muito mais.
Mais alguns conselhos
“Espera aí!”, você grita. “E os números? Vocês não levaram eles em conta! Eu li uma matéria...”
Da próxima vez em que você vir uma matéria gritando histericamente sobre as ameaças à segurança de dispositivos móveis, lembre-se do conselho de Marc Rogers, da Lookout: “Muitas pessoas se agarram à idéia de que há uma grande variedade de malware para Android à solta, como se uma grande “explosão” tivesse ocorrido. Mas essa não é a realidade”, diz ele. “Não se apegue aos números”.
E se você encontrá-los, preste muita atenção. “Número de ameças ao Android dobrea em um ano!” soa como algo assustador, mas se há apenas 10 apps maliciosos onde antes haviam cinco, não há muito com o que se preocupar. Uma boa regrinha da equipe da Lookout: sempre que você vir uma matéria mencionando porcentagens, ignore-as completamente a não ser que encontre números para corroborar a manchete sensacionalista.
* com informações de Nate Ralph, do TechHive

(PC WORLD)