terça-feira, 5 de março de 2013

Berlim terá carros elétricos dobráveis integrados aos trens, ônibus e metrô


Amigo leitor, prezada internauta, vocês que sofrem diariamente com as agruras do trânsito de uma grande cidade como São Paulo, por exemplo, travada por engarrafamentos quilométricos e repleta de veículos, imaginem a seguinte situação: poder contar com um sistema de aluguel de um carro elétrico de 2,63 metros de comprimento, com capacidade para dois passageiros e que, uma vez dobrado, encolhe para 1,5 metro. Loucura? Futurismo digno de Hoolywood? Nada disso!
 citycar-t.jpg
Atualmente, o projeto está em fase de testes na cidade espanhola Vitória-Gasteiz, onde nasceu a ideia
Fotos: Inhabitat


No sentido de minimizar os congestionamentos e otimizar os transportes alternativos, a capital da Alemanha, Berlim, colocará em testes durante 2013 o projeto CityCar, desenvolvido pela start-up espanhola Hiriko em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), que recebeu investimentos de US$ 87 milhões (cerca de R$ 174 milhões), segundo informações do repórter Marcio Orsolini, do jornal O Estado de S.Paulo.

 eletrico2-t.jpg

Inicialmente, estima-se que serão fabricadas 9 mil unidades anuais até 2015 para que a população o alugue


A novidade chega à Berlim por meio da empresa Deutsche Bahn, administradora dos transportes na cidade, para integrá-lo às redes de trem, metrô, ônibus e bondes. Atualmente, o projeto está em fase de testes na cidade espanhola Vitória-Gasteiz, onde nasceu a ideia.

A velocidade máxima do carro chega a 90 km/h e ele pode ser usado por 120 quilômetros antes de precisar ser novamente ligado na tomada. A recarga dura pouco: em duas horas, o carro já está pronto para nova viagem.
Além da capital alemã, o carro compacto deve chegar a Barcelona, na Espanha, e Malmö, na Suécia, nos próximos anos. Apesar de existirem alguns projetos similares pela região, o CityCar é o primeiro a ser fabricado em larga escala.

Inicialmente, estima-se que serão fabricadas 9 mil unidades anuais até 2015 para que a população o alugue, em um modelo similar ao das bicicletas que também ganham força em São Paulo e boa parte do mundo. Os preços ainda estão indefinidos.

Os carros serão lançados em conjunto com a instalação da infraestrutura de carregamento. "O uso compartilhado de veículos elétricos leves, combinado com as redes de transporte público, pode de fato contribuir significativamente para a redução do congestionamento urbano e a poluição", afirma o engenheiro eletricista norte-americano Praveen Subramani, do MIT, que liderou a equipe de desenvolvimento do CityCar.

Criação do projeto

O projeto foi concebido em 2003, como parte da pesquisa do núcleo de Cidades Inteligentes no MIT, que também desenvolve bicicletas elétricas - essas ainda numa fase anterior à dos carros, mas que também chegarão à população nos próximos anos.

 city3-t.jpg

Os carros serão lançados em conjunto com a instalação da infraestrutura de carregamento.


O conceito de uma dobradura e de uso compartilhado do CityCar para dois passageiros veio em meados de 2008. Os anos seguintes foram de intenso trabalho para ajustar as baterias e os sistemas de distribuição de alta potência do carro. "Afinal, não adianta ser bonito, compacto e ecologicamente correto, é preciso andar também", lembrou Subramani.

A velocidade máxima do carro chega a 90 km/h e ele pode ser usado por 120 quilômetros antes de precisar ser novamente ligado na tomada. A recarga dura pouco: em duas horas, o carro já está pronto para nova viagem.
O projeto concluído foi apresentado em janeiro de 2012 na Comissão da União Europeia, em Bruxelas, Bélgica, que tem duas unidades diante de sua sede.

Bem que no Brasil seria uma boa também, vocês concordam?

(ECOD)