domingo, 16 de novembro de 2014

Cientistas descobrem evidências de como se formaram as primeiras galáxias

Um grupo de cientistas chineses e americanos publicou  na revista “Nature” um estudo que lança uma luz sobre como se formaram as primeiras galáxias do Universo, um dos mistérios que ainda não foi desvendado pela astrofísica moderna.

O grupo liderado por Yong Shi, da Universidade de Nanquim, na China, se valeu de observações de galáxias próximas pobres em elementos metálicos para inferir os mecanismos que originaram as estruturas estelares primitivas.

Os metais – elementos mais pesados que o hélio – facilitam o esfriamento do gás interestelar, o que permite que aconteçam as condições apropriadas para a formação de estrelas.

Esses elementos pesados, no entanto, estão precisamente no interior das estrelas, por isso um dos maiores desafios da astrofísica é explicar como surgiram as primeiras galáxias em um ambiente extremamente pobre em metais.

Para compreender esses processos, Shi e seus colegas observaram através do telescópio espacial Herschel duas galáxias cujo gás interestelar praticamente não contém metais.

Trata-se da Sextans A, uma galáxia anã irregular localizada a 4,5 milhões de anos luz da Terra, e a mais distante ESO 146-G14, uma formação elíptica a 73,3 milhões de anos luz.

A partir do estudo de sete aglomerados estelares nessas galáxias, os cientistas determinaram que a formação de estrelas é pouco eficiente nessas condições.

Além disso, o grupo de Shi detectou uma maior quantidade de luz infravermelha do que era previsto pela teoria para esse tipo de galáxias, o que poderia indicar a presença de mais pó e gás interestelar do que se esperava.

“Compreender a formação estelar em pequenas galáxias de nosso entorno nos permite aprofundar no estudo da formação estelar do Universo originário”, ressaltou na revista “Nature” o americano Bruce Elmegreen, coautor da pesquisa.

A Sextans A e a ESO 146-G14 “são exemplos de como deveriam ser as galáxias durante os primeiros bilhões de anos depois do Big Bang”, destacou o investigador do Watson Research Center.

O cientista americano explicou que, enquanto a formação de galáxias como a Via Láctea foi amplamente estudada, a compreensão sobre a formação de estruturas menores e mais distantes ainda esconde segredos para os cientistas.

 (Fonte: Terra)