sábado, 28 de maio de 2016

Startup desenvolve game que ajuda no combate ao Aedes aegypti

Aprender se divertindo, concorrer a prêmios e ainda ajudar a combater o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

game-ecod.jpg
O jogo é a história de um cientista que constrói uma roupa para ficar pequeno e estudar os vírus transmitidos pelo Aedes aegypti
Fotos: Elói Corrêa/GOVBA

 Esta é proposta do jogo ‘Deu Zika - Valdo contra o Aedes aegypti’, desenvolvido pela startup Moovi. A empresa é uma das incubadas que integram o Parque Tecnológico da Bahia, por meio de editais da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

Segundo um dos criadores do game, Fred Marinho, o jogo é dividido em perguntas e respostas e em uma plataforma de aventura. Na primeira quinzena de junho, ele estará disponível gratuitamente na página da empresa no Facebook e os melhores jogadores serão premiados.

Fred conta que o jogo é a história de um cientista que constrói uma roupa para ficar pequeno e estudar os vírus transmitidos pelo Aedes aegypti. “Acidentalmente, ele está em um ambiente hostil e tem que reconstruir a roupa e descobre que tem um foco do mosquito no próprio quintal. Com um jogo à disposição da criança, a absorção da informação é imediata e ela também é propagadora, ensina para os pais, para os irmãos, para os amigos”.

gameinterna-ecod.jpg

De acordo com o coordenador-executivo da Moovi Estúdios Criativos, Jai Souza, o empreendimento tem um modelo de negócios dividido na Moovi Estúdio, Moovi Entretenimento, Moovi Escola e Moovi Loja, cada uma atendendo a um processo de produção. E a perspectiva é continuar crescendo.

“No Parque Tecnológico, nós abrimos um leque de oportunidades. Temos visitas de empresas, inclusive estrangeiras, e temos este meio empresarial que já está no Parque. Tudo isso serviu para alavancar a Moovi. Começamos com uma estrutura pequena, hoje já é o triplo. Estamos prospectando novos negócios e a tendência deste ano ainda é dobrar o tamanho da empresa”, afirma Jai Souza.

(Fonte: ECOD - Por Raul Rodrigues, da Secom-BA)