domingo, 3 de abril de 2016

Quinze anos de vida humana na Estação Espacial Internacional

Há 15 anos, completados nesta semana, pessoas passaram a viver na Estação Espacial Internacional de forma constante.


O gigantesco laboratório está se movendo a 8 km por segundo (5 milhas/s) desde que a primeira parte dele foi colocada em órbita, em 1998.

A primeira tripulação, Expedition One, chegou à estação no dia 2 de novembro – e, desde então, sempre há alguma pessoa a bordo.

A estação é um projeto envolvendo Estados Unidos, Rússia, Canadá, Europa e Japão.

De acordo com a Nasa, ela é do tamanho de um campo de futebol americano (que é um pouco maior que um campo de futebol).

A parte em que os astronautas vivem e trabalham é do tamanho de um Boeing 747.

A Estação Espacial Internacional orbita a Terra 15,54 vezes por dia. É o segundo maior objeto no céu depois da Lua.

A primeira missão durou cerca de cinco meses. A missão mais recente (Expedition 45) ficará por lá mais de três meses até que a tripulação retorne para a Terra, em 22 de dezembro.

Desde o ano 2000, 220 pessoas de 17 países diferentes visitaram a estação. A primeira tripulação era composta de três astronautas dos EUA, Rússia e Ucrânia.

No momento, seis pessoas estão a bordo e, apesar de elas fazerem pausas curiosas para brincar com laranjas flutuantes, o trabalho de um astronauta pode ser complicado.

As tarefas da Expedition 45 incluem conduzir experiências “que ajudam pesquisadores a estudar matéria escura e raios cósmicos, investigando as interações de chamas no movimento e ignição de gotículas e avaliar os efeitos do voo espacial em telômeros de cromossomos”.

Esta foto mostra materiais sendo testados no espaço.

As amostras são colocadas do lado de fora da estação os efeitos da incidência de luz solar direta, raios ultravioletas, calor extremo e radiação em certos materiais. Isso pode ajudar a projetar naves espaciais no futuro.

Pesquisas biológicas na Estação Espacial Internacional ajudaram a desenvolver tratamentos de males como distrofia muscular.

A estação pode ter um papel importante em eventuais missões futuras a Marte como um “trampolim”, diz a Nasa.

Mas ela também consegue ver a Terra de perto. Aqui, você pode ver detalhes de ruas e parques em Paris, incluindo a Torre Eiffel (circulada abaixo).

Às vezes, a estação espacial pode ser vista da Terra.

Na véspera de Natal do ano passado, foi possível ver seus rastros (circulados) sobre Londres.

Viajar pelo espaço não é tão solitário hoje quanto já foi. Os astronautas podem fazer ligações com vídeo para suas famílias.

Há alguns anos, até o presidente dos EUA, Barack Obama, ligou para eles. Obama queria dar parabéns à tripulação por ter conseguido acrescentar uma nova cúpula de observação à estação.

Você se lembra do que estava fazendo no dia 28 de fevereiro de 2011? Os astronautas da Nasa Steve Bowen e Alvin Drew provavelmente lembram. Eles ficaram amarrados do lado de fora da estação por mais de seis horas.

Foi uma caminhada espacial planejada para manutenção. Astronautas russos e americanos fizeram 118 caminhadas espaciais desde o ano 2000.

Nesta foto, é possível ver a aurora austral “deslizando” sobre a superfície do globo.

Mas note também a asa da nave espacial da Nasa Atlantis no primeiro plano. Ela havia saído da Terra em um missão de 12 dias para levar suprimentos. 

(Fonte: UOL)